Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




por A senhora do gatinho, em 20.05.15

Muito cuidadinho com as latas de sardinhas, elas mordem

Senhora do gatinho anda a precisar de ir à bruxa. Ele é lesão no joelho, ele é cirurgia... e hoje, quando bateu um desejo enorme de comer sardinhas em lata (não é só as grávidas que têm desejos, mas devia ser!) tau, ia arrancando uma parte do dedo.

Primeiro uma dor horrível, depois uma visão do inferno, sangue e mais sangue a jorrar para dentro da própria lata de sardinhas (eu avisei que era uma visão do inferno) e um medo (muito medo!) de olhar para a profundidade do corte. Depois de respirar fundo, senhora do gatinho olhou para o dedo e sentiu que era desta que deixava a valentia de lado e lhe dava um chilique: suores (frios, ou melhor, gelados) a escorrer pelas costas, luzinhas a piscar... "ai que eu vou desmaiar", "ai que só tenho as gatas em casa e não me vão ajudar", "ai que o homem está em viagem e só chega daqui a uma hora", "ai que tenho de ir ao aeroporto", "ai, ai, ai".

Até que veio a primeira ideia luminosa: pôr o dedo debaixo de água e com um pano tentar estancar o sangue. Poucos minutos depois, o pano completamente encharcado, as calças com sangue, os sapatos com sangue (os novos adidas brancos com sangue!), o chão com sangue.

Segunda ideia (esta pouco luminosa, diga-se) - ligar ao pai que está (somente) a umas horas de avião de distância:

- Pai, cortei um dedo com uma lata de sardinhas mas isto está feio, não pára de sangrar, o que faço?

- Ah, isso não é nada (como não é nada? estou em vias de chamar uma ambulância!), já puseste o dedo debaixo de água? Lava bem, desinfecta e aperta para estancar o sangue

- Já fiz isso tudo mas é muito sangue e está a doer

- Então faz um penso, é natural que doa mas já passa (tão prático este meu pai)

- Ok, vou continuar a tentar estancar

Mais um paninho encharcado, até que o sangue parecia começar a dar tréguas. Vários pensos enrolados no dedo e toca para o aeroporto para ir buscar o homem. Sangue a sair pelos pensos, volante sujo, homem entra no carro e senhora do gatinho enche-se de orgulho (afinal continuava valentona)

- Fiz um grande corte no dedo, saiu imenso sangue, até pensei que desmaiava, mas já está melhor

Homem olha, fica pálido e diz:

- Vamos para o hospital

- Não é preciso, já tem muito menos sangue (prepara-te para ver os panos que estão em casa)

- Tens de levar pontos, isso não vai passar por si

Senhora do gatinho detesta hospitais e evita ao máximo lá ir, mas o homem insistiu, insistiu, o sangue até parecia aumentar novamente e pronto, hospital

- Detesto estar aqui, está toda a gente a tossir, ainda saio daqui com um vírus qualquer, não devia ter vindo.

Triagem, pequena cirurgia, anestesia, pontos, vacina do tétano e assim termina o dia.

Serão 10 dias com o dedo do meio (esse maravilhoso dedo) empanado e curativo dia sim dia não.

Felizmente senhora do gatinho é destra, por isso ainda pode escrever e pintar. Mas não pode lavar a loiça (foi o médico quem disse).

Moral da história:

Muito cuidado com as latas de sardinhas. 

image.jpg

=^.^=

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:09


2 comentários

De Varufakis a 20.05.2015 às 08:36

As melhoras!
Realmente escolheste o pior dedo!

De A senhora do gatinho a 21.05.2015 às 17:34

É mesmo o pior dedo, mas tem dado jeito para falar com algumas pessoas. Ops, não consigo dobrar o dedo

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



"Espalhou-se logo a notícia de que uma cara nova se passeava pela marginal: uma senhora com o seu gatinho" [adaptado de Tchékhov].

Mais sobre mim

foto do autor






subscrever feeds